Pular para o conteúdo

O que é o Cemefec

O passado é, por definição, um dado que nada mais modificará. Mas o conhecimento do passado é uma coisa em progresso, que incessantemente se transforma e aperfeiçoa (BLOCH, 2001, p. 75).

O Centro de Memória da Educação Física Capixaba (Cemefec) é um projeto desenvolvido com o objetivo de estudar, compreender, sistematizar, tratar, preservar e dar visibilidade à História da Educação Física e do Esporte Capixaba. O projeto toma, inicialmente, como referência o Arquivo Permanente, do Centro de Educação Física e Desportos (Cefd), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Os documentos do Arquivo Permanente são oriundos da iniciativa pioneira da criação do Curso de Emergência em Educação Física, no ano de 1931, para a formação de professores de Educação Física. Eles que falam sobre as condições de implantação e desenvolvimento desse que é o primeiro curso de formação de professores civis de Educação Física do Brasil. 

Interessante notar que durante muito tempo ele foi chamado de o “Arquivo Morto” do Cefd, uma vez que era constituído pela documentação gerada anteriormente ao ano de 1961, momento em que a instituição foi federalizada. Não sendo mais movimentada, a documentação que fala sobre a administração do curso, a memória do que foi a Instituição, suas disciplinas, seus professores e seus alunos ficou durante muito tempo esquecida/abandonada, correndo risco da deterioração pelo tempo, pelo ambiente, pelas pragas, pelos fungos, assim como pelo mau uso do arquivo. 

Esquecido e isolado em um canto, o “Arquivo Morto”, acredito que tenha sobrevivido apenas por resiliência, esperando que a sua importância para a pesquisa fosse descoberta. O que de fato aconteceu em alguns momentos, como pode ser percebido na seção “Historiografia” e “Produções”, no nosso site. 

O Cemefec se propõe a recuperar, guardar e analisar o “Arquivo Permanente do Cefd”, assim chamado a partir do ano de 2013, após uma parceria com o Departamento de Arquivologia da Ufes, no projeto “Arquivo Permanente: em busca da memória institucional da Ufes” coordenado pelas professoras Rosa Ferreira e Cássia Gisele de Morais Rizzo. Como arquivo permanente, com valor histórico, probatório e informativo, deve ser permanentemente preservado (Lei n. 8.159/91, art. 8º), como um monumento histórico que nos faz lembrar de uma época, dos homens no tempo, seus problemas, as estratégias institucionais, as táticas dos atores sociais, os dispositivos utilizados, as práticas e representações, as respostas para as demandas sociais, no nosso caso da escolarização da Educação Física e do Esporte no Espírito Santo.

Como forma de reviver o arquivo, que “gritava para ser ouvido”, procuramos estabelecer a base para a produção de estudos que pudessem revigorar a massa documental, perguntando sobre a História da Educação Física e do Esporte Capixaba, traçando a trajetória de intelectuais, professores e alunos em interface com o fenômeno esportivo na região do Espírito Santo. Buscou-se ao longo desse processo, o estabelecimento de diálogos com outras localidades do Brasil e internacionalmente, para perceber a circulação de práticas e representações, assim como dos agentes que as fizeram circular e delas fizeram uso. Dessa forma, o Cemefec objetivou/objetiva compreender as práticas e representações da Educação Física na sociedade Capixaba, no seu desenvolvimento e dos intelectuais que animaram a sua inclusão nos processos de escolarização e de esportivização da sociedade.

Projeto Centro de Memória da Educação Física e do Esporte Capixaba

Desde o ano de 2009, com a aprovação do projeto de pesquisa “Apropriações da pedagogia moderna no Espírito Santo: práticas de representação e estratégias de circulação”, com financiamento pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), com duração até o ano de 2011, começou-se a desenhar as possibilidades de produzir no Espírito Santo, um Centro de Memória da Educação Física e do Esporte Capixaba. Com esse projeto foi possível mapear desde o final do século XIX, as discussões realizadas nos anais da Assembleia Estadual sobre as reformas da instrução pública e nelas perceber a circulação de ideias sobre a presença da Educação Física, ou da ginástica, como disciplina escolar.

Na esteira daquele primeiro projeto, outros se seguiram, como o “projeto História e memória da Educação Física e do Esporte no Espírito Santo: autores, atores e instituições (1931-1961)”, financiado pelo CNPq, que buscou compreender as instituições que deram os primeiros passos na implementação de propostas curriculares que incluíssem a Educação Física nos projetos de ensino para a formação de professores de ginástica nas escolas. O projeto vigorou de 2011 a 2013 e nos ajudou a perspectivar outros investimentos na pesquisa, entre eles o conhecimento sobre as condições de criação do curso de Educação Física do Espírito Santo, no ano de 1931.

Como consequência foi criado, no ano de 2015, o projeto “Projeto de reforma do ensino da Educação Física na década de 1930: circulação e apropriações do Método Francês no Brasil”, com verba de custeio do CNPq, que permitiu perceber a forma como foi desenvolvido o curso de Educação Física criado no ano de 1931, a sua estrutura organizacional, a formação de professores, a circulação de alunos e professores, o conhecimento previsto e os resultados obtidos ao longo dos seus primeiros 30 anos.

Além desses projetos, outros foram criados como o projeto “História da Educação Física no Espírito Santo: as reformas da instrução pública e a circulação de modelos pedagógicos (1900-1930)”, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), que vigorou entre o ano de 2011 e 2014. O projeto “A Educação Física no Colégio Estadual do Espírito Santo: atores, práticas e representações (1943-1957), aprovado pela Fapes, que foi realizado entre os anos de 2012 e 2013. O projeto Memórias da Educação Física e do Esporte no Espírito Santo: organização e tratamento dos arquivos do CEFD/Ufes, financiado pelo Ministério da Educação/Programa de Extensão Universitária (MEC/ProExt), com duração entre os anos de 2015 e 2016.

Em decorrência desses vários investimentos ao longo de dez anos foram produzidas 2 teses, 5 dissertações e 5 monografias e artigos que desfazem aquele primeiro sentido de não haver no Espírito Santo uma história da Educação Física e do Esporte a ser contada. Na seção “Produções”, na página, listamos os produtos que foram desenvolvidos e nos ajudarão a estabelecer diálogos com os outros estados do sudeste, para discutir e comparar as trajetórias de atores, de projetos e de investimentos na produção de uma historiografia da Educação Física e do Esporte Capixaba.

Na seção denominada como “Produções”, colocamos para download as teses, dissertações, monografias, artigos e livros que foram desenvolvidos pelo grupo de alunos/pesquisadores que estiveram envolvidos com o projeto de compreender a nossa História da Educação Física e do Esporte Capixaba. A lista de produções será atualizada ao longo do processo de desenvolvimento de novos estudos sobre essa temática, que ainda está dando os seus primeiros passos no Espírito Santo.

Essa, ainda é uma tímida produção sobre a História da Educação Física no Espírito Santo, mas que nos possibilita pensar em muitos outros caminhos de investigação, em encontrar nexos entre projetos de formação de professores, circulação de dispositivos pedagógicos, práticas de representação e da ação de intelectuais na conformação de um campo pedagógico. Porém, algumas dificuldades se interpõem para que os objetivos sejam alcançados.

Simões e Franco (2004), ao tecer algumas reflexões sobre a produção, socialização e investigações sobre a Histórica da Educação no Espírito Santo, relatam que, no caso dessa região, dois desafios se apresentam aos pesquisadores preocupados com a escrita da História da Educação local, quais sejam: “[…] a) a escassez da produção historiográfica dirigida ao Estado […] e à realidade educacional em particular; b) a precariedade e a dispersão de fontes”. Essa reflexão também faz sentido quando pensamos na História da Educação Física e do Esporte, pois poucos investigadores se preocuparam em compreender como aconteceu no Espírito Santo a inclusão da Educação Física na escola como disciplina, sua escolarização frente à forma escolar e a sua incorporação à cultura escolar. Carecemos de investimentos em pesquisas que possibilitem entender as condições culturais, os atores, os autores, os discursos e as demandas sociais que impediram/permitiram a Educação Física e o Esporte se tornarem uma realidade no processo de escolarização da sociedade espírito-santense. 

O projeto Cemefec, criado para a sistematização da memória da Educação Física e do Esporte no Espírito Santo, também visa criar as condições que permitam o acesso aos documentos, o seu manuseio e o seu uso, dentro de padrões que assegurem o cuidado com o arquivo. Metodologicamente o estudo emprega os mesmos procedimentos utilizados no programa “Arquivo Permanente: em busca da memória institucional da Ufes”, sediado no Departamento de Arquivologia da Ufes, que busca recuperar os acervos dispersos nos vários centros e departamentos que compõem a Ufes e integrá-los em uma base de dados única, o que facilitará a produção de fundos documentais, a localização de informações e o cruzamento com outros arquivos.

O processo de desenvolvimento do Cemefec no Cefd foi iniciado no ano 2009, com a aprovação daquele primeiro projeto financiado pelo CNPq, e com os financiamentos subsequentes. Ao longo desse período demonstrou a potencialidade desse investimento para o campo de investigação sobre a História da Educação Física e do Esporte. As teses, dissertações e monografias que utilizaram o arquivo para desenvolverem os seus trabalhos, demonstram a fertilidade para se reinterpretar o passado, construindo novos objetos, novos problemas e novas abordagens do fundo documental que compõem o Arquivo Permanente do Cefd/Ufes. Com o tempo buscaremos sensibilizar a comunidade, depois de conhecerem o projeto, a realizar doações de livros, revistas, jornais, cadernos, programas de disciplinas e de documentos audiovisuais e iconográficos, assim como entrevistas, para compor os fundos documentais sobre a História e a memória da Educação Física e do Esporte Capixaba.

Nesse momento, o Cemefec, inaugurado simbolicamente no dia 12 de março de 2020, ocupa uma sala, na Ala 03 do Cefd/Ufes, e está organizado em três ambientes, um para o tratamento físico dos documentos, a sua limpeza e a higienização. Um segundo para a guarda e a classificação dos documentos, separado por uma parede de vidro do terceiro ambiente, utilizado para a consulta e a pesquisa documental. Dessa forma, estamos desconstruindo a ideia de o Arquivo Permanente ser apenas um local em que se recorre para consultas em momentos de urgência, para localização de documentos que revelem datas de formatura de ex-alunos. Propomos que ele seja mais  que isso. Que que possa ser reconhecido como um centro de memória, um espaço para consulta, sistematização, estudo e disseminação de conhecimentos sobre a nossa História da Educação Física e do Esporte.

Convidamos a todos para nos visitar, neste momento, por meio do nosso site, https://cemefec.org, que assim como o arquivo analógico estará sempre de portas abertas para receber visitas, contribuições e doações.

Prof. Dr. Omar Schneider.

Referências:
BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

SIMÕES, Regina Helena Silva; FRANCO, Sebastião Pimentel. História da Educação no Espírito Santo: catálogo de fontes. Vitória – Espírito Santo: EDUFES, 2004.

BRASIL. Lei n. 8.159, de 08 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasília, DF, 1991. Disponível em : <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8159.htm>. Acesso em 01 de março de 2020.

.

,

Está gostando do conteúdo? Compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Siga-nos  nas redes sociais